{Um Outro Olhar #10} - Carrie, A Estranha

Pessoal, hoje trago para vocês Carrie, A Estranha, é um livro pequeno  e o melhor que esse livro tem mais de uma adaptação para o cinema. Confesso que comecei a ler no inicio da semana  mas eu estava no meio de Princesa Mecânica e parei de lê-lo e fiquei só com P.M mesmo. Ontem a noite assisti a versão 2013, então confiram as fotos na coluna "Um Outro Olhar".


Sinopse: Carrie, a Estranha narra a atormentada adolescência de uma jovem problemática, perseguida pelos colegas, professores e impedida pela mãe de levar a vida como as garotas de sua idade. Só que Carrie guarda um segredo: quando ela está por perto, objetos voam, portas são trancadas ao sabor do nada, velas se apagam e voltam a iluminar, misteriosamente.Aos 16 anos, desajustada socialmente, Carrie prepara sua vingança contra todos os que a prejudicaram. A vendeta vem à tona de forma tão furiosa e amedrontadora que até hoje permanece como exemplo de uma das mais chocantes e inovadoras narrativas de terror de todos os tempos.Com tantos ingredientes de suspense, Carrie, a Estranha logo se transformou num enorme sucesso internacional e passou a integrar a mitologia americana. Ao ser transportado para as telas, em 1976, pelas mãos de Brian de Palma, teve a atriz Sissy Spacek e John Travolta em seus papéis principais.

Confiram a resenha AQUI


Um Outro Olhar








... E Margaret dizendo para a menina ir para dentro do armário e rezar.












Suas espinhas são o castigo que DEUS lhe impôs. Agora coma a torta.












Carrie se encostou à parede de um dos quatros boxes e foi desabando na frente devagar até cair sentada, sacudida por gemidos lentos e convulsivos. Revirava os olhos mostrando o branco marejado, como um porco no matadouro.












Carrie recuou. No mesmo instante uma prateleira de bastões de beisebol no canto de vestiário caiu com um estrondo. Rolaram  bastões para todo lado, fazendo  Desjardim pular.













Apagou a luz e deitou de costas. Mamãe não a deixava ter travesseiro.
















Carrie White come cocô














Enquanto levava os baldes  para a mala, sua mente fez uma ligação vaga, simbólica. Sangue de porco. Era bom. Chris tinha razão. Era ótimo. Solidificava tudo.Sangue de porco pra uma  porca.









Do Senhor não se zomba – Saiba que seu pecado há de mostrar quem você é. Queime esse vestido, Carrie. Arranque e queime esse vermelho do demônio! Queime! Queime ! Queime!















O rei e a rainha do Baile de Primavera de 1979: Tommy Ross e Carrie White.















Mas quase ninguém descobre que seus atos, na verdade magoam realmente os outros! Ninguém fica melhor, as pessoas só ficam mais espertas. Quando fica mais esperto, você não para de arrancar as asas da mosca, só imagina um motivo melhor para fazer isso. Muita gente está dizendo que tem pena da Carrie White, as meninas  principalmente, e isso é uma piada, mas garanto que nenhuma  sabe o que é ser Carrie White cada segundo de cada dia. E no fundo estão pouco ligando.







Espero que vocês tenham gostado das fotos, semana que vem o tema será outro! Continuem ligados. 


by Fabiano Cunha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar no "Leitor Sagaz" em breve seu comentário será publicado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...